Apoios:

Bicla Fest 2017 e Marginal sem carros

17 de setembro de 2017
Bicla Fest 2017 e Marginal sem carros.
Presença discreta do Clube MoucaBTT... mas vivamente participada pelos que aceitaram o desafio.
Saída do Largo da República em Agualva pelas 08H00, com destino à Praça do Comércio em Lisboa. Após o levantamento da t-shirt e bidon de água e algum tempo de espera, começou finalmente o passeio agendado pela FPCUB, eram 10H30, nesta altura rumamos em direcção à marginal para também marcar presença no evento, Marginal sem carros.
Depois foi o regresso até à nossa sede, onde chegamos pelas 12H15 com 50 kms percorridos, para degustar a respectiva mini e mais uns dedos de conversa.
More bikes less cars!
 

Voltinha ao Jamor

30 de julho de 2017

Passeio BTT com 40 kms. Início e fim no Largo da República em Agualva com passagem por Barcarena, Vila Fria Marginal e Jamor. Sempre meia roda à frente.
 
 



Tour VTT

16 de julho de 2017

Hoje, 16 de julho de 2017, o passeio de bicicleta levou-nos até ao Monsanto. O nome escolhido foi TOUR VTT, sim, estamos a viver a Volta a França.
Pelas 08H00, 7 Moukistas rolaram do Lrg da república em Agualva, em direção à Idanha, Queluz, Amadora, Venda Nova, Estrada de Benfica até São Domingos de Benfica, local escolhido para entrar na Serra de Monsanto, mais propriamente pelo Calhau.
A partir daqui começou a diversão, os single-tracks estão do melhor. Subimos bem, mas descemos melhor, algumas passagens requereram alguma exigência física e técnica, a adrenalina em muitas passagens subiu bem alto.
O lanche matinal ddecorrer perto da Cruz das Oliveiras, eram 10H20, ainda tínhamos mais algum tempo para disfrutar desta bela mata.
O regresso fez-se pelo Bairro da Boavista, Damaia, Amadora, Queluz e Monte Abraão, aqui um simpático casal pediu-nos "boleia" até a Agualva, assim, juntou-se ao grupo e pedalou connosco até Agualva. Já em Agualva, tendo como fundo a Ribeira das Jardas, fizemos a separação.
Alcançámos a sede do Clube às 12H10, para o habitual sumo de cevada e mais um dedo de conversa.
Distância: 52 kms
Altimetria positiva: 1000 mts
Sempre bem por maus caminhos!


Dia do Município de Sintra 2017

29 de junho de 2017
Mais uma vez o Clube MoucaBTT, esteve presente na Cerimónia do Hastear da Bandeira nos Paços do Concelho em Sintra. Desta vez para comemorar o Dia do Município de Sintra.


Terra Agreste

domingo, 25 de junho de 2017
Terra Agreste
Às sete badaladas do dia 25 de Junho, 7 Moukistas juntaram-se para cumprirem um raid que prometia a passagem por terras agrestes, seja lá o que isso significar no dicionário MoucaBTT… Boa disposição e expectativas em alta era a tónica do grupo que iniciou caminho saindo de Agualva a rolar por alcatrão, passando por Meleças, até atingir o final da recta da Granja. Com o aquecimento já feito, era agora tempo de se entrar no terreno predilecto desta malta, a terra… 12 kms cumpridos e os primeiros trilhos e este vosso Moukista falava com o PP sobre a loucura de trilhos que curtiu na 7ª Maratona de Avintes, conversa interrompida aos 14 kms, altura em que entre a Terrugem e São João das Lampas, iniciávamos uma sucessão espectacular de singletracks que faziam os Moukistas pedir mais e mais… Daqui até aos 27,5 kms, o divertimento manteve-se, indo o grupo rolando a bom ritmo por trilhos que alternavam entre segmentos mais técnicos e alguns estradões, com zonas de subida a exigir um misto de técnica (pela largura e inclinação dos trilhos) e alguma força para serem superadas.
Com 27,5 kms cumpridos e atingido o ponto de altimetria mais baixo do percurso (45 mts), era agora tempo de subir por estradão até ao geodésico que colocava na vista a praia do Magoito.
Aos 29 km e já no marco geodésico junto à praia do Magoito, tempo para o salutar reforço alimentar e dar uma olhadela nas belas vistas que nos rodeavam, quer fosse com o mar, quer fosse com a Serra de Sintra em pano de fundo. A referir que apesar do ritmo vivo e já cumprido cerca de metade do track, o Zé Gonçalves mantinha o impermeável, não fosse chover… o que este pessoal não faz para suar..
Tempo de retorno para Agualva, ou seja, um pouco a repetição no bom sentido dos primeiros 30 kms, alternância entre estradões e singletracks até se atingirem os 40,5 kms. Aqui, deu-se inicio a uma sequência de singletracks que terminou apenas aos 45,5 kms, ou seja, 5 kms de pura diversão que foram cumpridos sempre com Sintra à vista. Findos os singletracks, encontrávamo-nos na fase inicial do percurso, o local de entrada nos trilhos que falei aos 12 kms (em Ral).
Era agora tempo de rolar novamente pela recta da Granja até se chegar ao Recoveiro, com passagem por Meleças e Mira-Sintra, chegando por fim à Sede da MoucaBTT após cerca de 60 kms e 900 mts de D+. Tempo de habitual sumo de cevada e mais dois dedos de conversa… Era unânime o divertimento que estes 7 Moukistas tiveram mas também a vivacidade do ritmo com que este passeio foi realizado… Por fim, tempo para o injectável do Vice-Presidente por este vosso Moukista, pois há que colocar este betetista a pedalar novamente! Certo estou que se tivesse ido connosco o seu comentário ao raid realizado seria… Por terra agreste e nem cheguei a suar! Haja saúde e mais raids como este!
Prá semana há mais!

Passeio de bicicleta

15 de junho de 2017

Depois da ida a Fátima e aproveitando o feriado de 15 de junho, uma voltinha para descontrair e rolar, Agualva, Caxias, Belém, Alcântara, Bº da serafina, Monsanto, Amadora, Agualva.


IX PEREGRINAÇÃO BTT AGUALVA-FÁTIMA

IX Peregrinação BTT, Agualva - Fátima
Foi pelo 9º ano consecutivo, que o Clube MoucaBTT organizou e convidou os sócios, através da presidência, para participarem neste já tradicional evento anual, PEREGRINAÇÃO A FÁTIMA EM BTT. Habitualmente, o convite, é muito bem-recebido por muitos de nós, e fazemos questão de peregrinar em bicicleta durante um dia e meio. Parece-me que este passeio (peregrinação) é o elo que une o grupo, o faz recriar e o vai fazendo cada vez mais coeso e valioso em valores de afecto… Por motivos vários, cada um motiva-se para querer estar presente nesta peregrinação. Este ano não foi excepção para os quinze Moukistas que aceitaram o desafio de bicigrinar os Caminhos do Tejo, desde a Sé de Lisboa até
ao Santuário de Fátima, as espectativas da peregrinação eram elevadas, pois foi pela primeira vez que fizemos este percurso, no segundo dia, (Golegã/Fátima via Entroncamento), as mudanças quase sempre são bem-aceites, esta não foi excepção, superou pela positiva as espectativas criadas.
1º dia 10junho2017, a manhã calma e límpida serviu de mote ao dia que prometia ser bem-agradável… iniciamos o que nos havíamos proposto.
O essencial estava feito, vontade, querer, bicicleta e pernas. Saímos da nossa sede às 06:40, minutos depois apanhamos o comboio até ao Rossio, o proposto era, e foi, o grupo Moukista sair oficialmente, para peregrinar, da Sé de Lisboa às 08:00, cumprimos o guião e iniciamos, com tranquilidade, a pedalação junto ao Tejo, sem qualquer percalço avançávamos a bom-ritmo, às 08:36, com 15km estávamos a fazer a primeira paragem para o pequeno-almoço. Claro que levamos uma viatura de apoio com as simpáticas e incansáveis, Emília e Eduarda, e lá estavam elas à nossa espera. Bolos, muitos bolos, e muita variedade de mimos, param os Moukolorpas! Saciarem a vontade de comer nas paragens programadas, arrancamos e pouquíssimos minutos depois já pedalávamos junto do rio Trancão, a pedalação era forte, às 10:12 e com 40Km voltamos a parar para mais um, programado, abastecimento no cais de Alhandra, a próxima paragem foi feita em Vila Nova da Rainha às 11:25 com 56Km, nesta paragem o calor já era notório, talvez por isso, tomamos o primeiro sumo de cevada do dia. Minutos depois rolávamos em alcatrão e já com o Espirito Santo no grupo, continuávamos com uma pedalada mui forte, foi rápido que entramos nos trilhos das lezírias, pessoalmente gosta de rolar por eles. Valada fora alcançada pelos Moukistas eram 12:40 e tínhamos feito 75km, o calor fazia-se sentir intensamente, as árvores do parque compensavam com a sombra intensa e fresca, cada um de nós fazia a hidratação à sua maneira, até o almoço estar pronto. Almoçamos com tranquilidade, a boa-disposição mantinha-se no grupo, tão presente ela era… que apetecia mesmo era continuar por aqui! Pois, mas não podia ser, tomamos café, preparamo-nos e arrancamos, para mais uma etapa, eram 14:00 com uma temperatura a rondar 36º, rolávamos pelos estradões das lezírias, o calor e o pó não enfraqueciam o rendimento do grupo, mantínhamos o andamento quase sempre acima dos 20km hora, não havia elos fracos nem quebras físicas, a homogeneidade do pelotão era perfeita até à paragem junto do aeródromo de Santarém, eram 14:45 e tínhamos 89km. Fizemos a hidratação líquida, ao mesmo tempo o vice-António fazia a integração no grupo, a partir daqui, e até ao final, seriamos quinze a rolar continuamente e sempre junto ao Tejo. Alcançamos Ribeira de Santarém, foi por aqui que voltamos a entrar nas lezírias pela ponte do rio Alcorce. Veio mais uma pequena e programada paragem em Vale Figueira com 105km eram 15:50, continuamos o proposto debaixo do tórrido sol Ribatejano, o bem-disposto grupo mantinha-se coeso e cheio de garra, por duas vezes o grupo aproveitou os expressores de rega e refrescou-se um pouco das altas temperaturas. Eram 16:45 e 119km feitos, quando alcançamos Azinhaga, terra do prestigiado escritor José Saramago, para além de mais uma hidratação, quisemos fazer-lhe companhia por alguns minutos e tirar umas quantas fotos. Nesta altura o cansaço já era notado e notório, mas por sabermos que o término do primeiro dia estava a dar-se, a superação fazia-se na boa… arrancamos e pouco depois paramos na rotunda do campino, tiramos umas fotos e continuamos a pedalar até chegarmos à Golegã, próximo das 17:30 abriram-se os portões do "Bike-hostel" (Casa da Tia Guida), os quinze vitoriosos entraram no espaço que antecipadamente fora reservado, fomos muito bem recebidos pelos proprietários (Leonor e Fernando), tinham à nossa espera umas fresquíssimas águas aromatizadas e alguns salgados. Após termos tratado das bikes, deliciamo-nos com o sabor e frescura delas… que alivio físico e psicológico veio à tona em tão pouquinho espaço de tempo. Já com as malas no quarto fomos tomar o merecido banho. Nenhum de nós manifestava qualquer azedume, apenas contentamento, superação e boa-disposição. Aperaltados, seguimos pelas planas ruas da Golegã até à praça principal, bem próximo desta iriamos fazer o belo do jantar, das variadíssimas vertentes dele, nenhuma ficou aquém, tudo esteve ao nível dos quinze atletas e das duas simpáticas assistentes… depois de uma hidratação perfeita, regressamos aos aposentos para o merecido descanso, o meu foi bem pouco! Quase não dormi nada, os espaços partilhados e eu, somos inimigos….
2º dia 11junho2017, A alvorada foi cedo! eram 05:40 quando o reboliço começou, higiene, equipamento e pequeno almoço, tudo na perfeição para a partida do segundo dia (Golegã/Cova da Iria, via Entroncamento). Abriram-se os portões, enfrente deles, fizemos a foto do grupo. Às 07:00 iniciamos a pedalação do segundo dia da nossa peregrinação, atravessamos a vila e rápido entramos na terra-batida. Mais lezírias, com alguma diversidade de plantação, teriam que ser ultrapassadas, são quilómetros de sementeiras regadias que vamos encontrando e ultrapassando, desde Vila Nova de Rainha até Vila Nova da Barquinha, são dezenas de kms de plantação de culturas agrícolas… O grupo continuava com disponibilidade física capaz de manter uma forte pedalada semelhante à do dia anterior, por enquanto… porque, com rapidez o relevo muda de figurino, logo que deixamos o rio Tejo e viramos ligeiramente à esquerda com a cota de 20mt, tudo deixou de ser o que era, ladeamos Vila Nova da Barquinha pouco depois alcançamos Entroncamento. A partir daqui, praticamente seria uma subida até Fátima. Eram 08:50 quando fizemos o 1º reabastecimento do dia em Vargos foi ao km150, cada vez mais a agressividade do terreno era notada, alcatrão nem vê-lo… quando alcançamos Outeiro das Matas já o radiador estava em sobreaquecimento, não era caso para menos!
Desde Vargos a Outeiro das Matas foi sempre a subir, pisos muito fortes, quase tudo era difícil. Aqui fizemos mais uma paragem de hidratação, seria a ultima até Fátima, tínhamos feito até aqui 165Km e eram 10:25. Problemas técnicos, neste 2º dia, surgiram alguns, apenas furos, que foram resolvidos… mas que deixavam tempo para o pelotão recuperar, nunca passando de um pseudo-stresse… faltava fazer a última, mas complica, subida do dia, os três últimos Km até Cova da Iria foram violentos, estávamos à cota de 200mt e subimos à cota de 360mt, não era nada de muito especial, mas o cansaço acumulado estava presente. Após esta subida as dificuldades eram nulas. Estávamos na Cova da Iria e adiantados ao previsto, o contentamento de todos fazia-se sentir, não era caso para menos, tudo, mas mesmo tudo, tinha corrido na perfeição e estávamos bem próximos de concluir mais uma bem-sucedida peregrinação. Merecíamos festejar a vitoria alcançada, mas ainda não concluída, com um sumo de cevada brindamos à união e ao sucesso de mais uma peregrinação. Com os minutos controlados, subimos, pela ultima vez, para cima das bikes e perfilamos lado a lado até ao santuário de Nossa Senhora de Fátima. À medida que nos aproximávamos o sentimento crescia e o semblante vincava-se! Logo que avistamos os familiares e amigos, que nos esperavam, dá-se o clique… e descarregamos toda a felicidade e sofrimento, místico-estranho! com lagrimas e soluços….A peregrinação tinha terminado para os quinze Moukistas, com 183km e eram 12:13,5.  Vieram os cumprimentos e os abraços, com eles a dissipação das emoções volatizaram-se. Os bicigrinos e os seus convidados, pausadamente, foram convergindo para a parte central do santuário, para tirarmos as merecidas fotos. Depois do banho tomado, era tempo de almoçarmos e confraternizarmos com familiares e amigos. Foi uma tarde bem passada de convivências e afetos. Quero terminar a cronica da IX peregrinação a Fátima com alguns merecidos agradecimentos.
Agradeço, a todos os familiares e amigos que foram ao nosso encontro, aos catorze cavaleiros/companheiros de pedal: Luís Pina, António Araújo, Paulo Laranjeira, Manuel Sousa, João Paulo, João Pires, Luís Carvalho, Pedro Barbosa, José Gonçalves, Ruben Fernandes, António Luís, Espirito Santo, Nuno Alves e Jorge Candeias, não só pela companhia, mas também pela camaradagem, simpatia, compreensão e disponibilidade demonstrada, à Mila e à Eduarda que fizeram um trabalho de apoio exemplar, por fim, mais uma vez ao António Araújo, Manuel Sousa e Luís Pina pela excelente organização. Para todos um abraço de saudade do “Moukista sentado”

           

Ride BTT de longa acção 2017

Domingo28Maio2017
Ride BTT de longa acção 2017 – Serra Montemor
Saímos do LR eram 08:00, os nove Moukistas apresentaram-se bem-dispostos e crentes que seria uma volta menos dura comparativamente hás três anteriores, razoavelmente podemos pensar desta maneira, pois têm sido de uma dureza media/alta.
Azimutamos para o lado da serra da Carregueira mas rápido saímos para Belas, ladeamos a serra de Belas mas saímos e subimos pela serra da Silveira, na transição de passagem pelo Monumento Natural de Carenque o António Luís não pode continuar, o cepo entregou a alma ao criador, ficou apiado, teve que dar meia volta e regressar. Passamos para o outro lado da CREL por cima do túnel, estávamos em Carenque ao Km9 a uma cota de 130mt, rápido iniciamos a subida de 1km com 100mt de acumulado. Entramos em alcatrão e fomos bordeando Casal de Cambra e Caneças, transitamos mais uma vez para o outro lado por cima do túnel de Montemor, descemos e passamos por baixo da Crel, estávamos com 22Km e à cota de 140mt. As hostilidades da subida foram iniciadas serra acima pedalamos ao ritmo que conseguíamos, a muita pedra solta obrigava-nos a leva-las à mão durante uns quantos metros, já em cima delas pedalamos forte até atingirmos o topo da serra de Montemor, já tínhamos pedalado 26Km e estávamos a uma cota de 352mt. Foi aqui no cocuruto da serra, junto do marco geodésico, que fizemos a paragem para o lancho matinal.
Já hidratados, apreciamos a vasta paisagem e tiramos umas fotos, foi rápido que nos posemos em marcha pois a fresca aragem não estava simpática… descemos serra-abaixo e alcançamos Caneças, por aqui visitamos o Parque das Fontainhas, reabastecemos de água e prosseguimos, ia-mos pedalando por terra batida e alcatrão! Dona Maria viu-nos passar, Casal do Brejo também, as subias e descidas eram fortes, o terreno por aqui é muito irregular e requer sabedoria, força e técnica qb. para ultrapassarmos os muitos obstáculos que consecutivamente aparecem. Subimos até alcançarmos o Belas Clube, descemos para a serra da Carregueira lado Norte, continuamos a descer com a aplicação da muita técnica até o terreno endireitar e alcançarmos Telhal, Recoveiro e mata de Fitares, para terminar serpenteamos as hortas do Cacém e findamos o passeio eram 12:20 no LR de Agualva, mais propriamente na sede do MoucaBTT, com 50Km e um A+1100mt. A boa-disposição do grupo fora ainda suficiente para nos refrescarmos com um sumo de cevada e alguma conversa de relaxe socializador. Abraço do Moukista sentado”  

Sintra BTT - Mais do mesmo! TOP!

Domingo21maio2017
SINTRA BTT, MAIS DO MESMO! TOP!
O passeio deste domingo prometia ser mais um “mais do mesmo”, mas em versão TOP, a promessa cumpriu-se! As dúvidas foram dissipadas pelos sete corajosos Moukistas que às 07:00 partiram para mais uma aventura que prometia ser dura… fora ela ainda mais do que era suposto, pois o track, intencionalmente ou não, estava incompleto! Quando assim é apresentado, algo fica por dizer… era esperado que assim fosse! O pessoal na semana passada entusiasmou-se, e foi dizendo que a volta foi do melhor, e foi..., o Presidente LP quis ser simpático e foi reconhecer mais uns quantos tracks durante a semana, muito obrigado, e pimba toma lá mais um daqueles que vai perdurar durante algum tempo, não pelo empeno, mas pelas fortes e técnicas subidas e descidas, foi brilhante Luís podes continuar com esta linhagem, se possível com um pouquinho mais de dureza!
Saímos para o lado do Cacem e fomos passando por Paiões, Serradas, Albarraque, Linhó, bordeamos Penha Longa, já com 13km fizemos a entrada na serra de Sintra com a cota a 200mt, esta entrada na serra dificilmente poderia ter um grau de dificuldade mais exigente, estávamos numa subida com 20% de inclinação e piso irregular, daqui ao km16 tivemos de subir à cota de 427mt., difícil…de seguida veio a vingança, descida e mais descida até ao km22 foi quase sempre a descer, e que descidas atingimos o Km22 perto de Almoçageme, Covão e Colares. A boa disposição do grupo era, nesta altura, notória. Rolávamos em alcatrão, a inclinação do terreno começava a empinar, pedalávamos ao ritmo que conseguia-mos, passamos por Gigueirós e Eugaria. Já merecedores de uma paragem escolhemos o Parque de Monserrate, espaço de beleza impar, para a fazer, tomamos o lanche matinal e conversamos tudo quanto conseguimos, já hidratados prosseguimos caminho.
Dos 27 aos 37kms foi sempre a subir, estivemos na cota dos 12mt e quando concluída esta subida, passamos a estar à cota dos 425mt, a subida que vinha a seguir era sempre mais penosa do que a anterior, já vinha enjoado de tanta descida invertida. Nos momentos em que estamos com a máquina no red line vamos pensando; porque ando aqui! se vou em sofrimento porque gosto disto! É algo estranho…mas que não podemos passar muito tempo sem ele…Já em alcatrão com o destino a Sintra, virámos à direita e entramos no trilho da rampa da Pena, acho que foi neste trilho que o presidente fez a vontade ao corpo, esticou-se! Estávamos em Sintra, o movimento por aqui é frenético, reabastecemos de água fresca num fontenário e prosseguimos, fomos passando por Chão de Meninos, Rio de Mouro, Cacem e Agualva. Foi mais um passeio, ao mais alto-nível, de aproximadamente 60km e 1500A+, a onde a coesão do grupo esteve sempre presente e a boa-disposição nunca faltou, excepção ao Pedro passou uma manhã menos boa. Ainda tivemos disposição e tempo para tirar uma foto do grupo no LR. Sempre bem por maus caminhos. Até para a semana algures por ai. Abraço do
 “Moukista sentado”  

Alvalade - Porto Covo - Alvalade

Alvalade-Porto Côvo-Alvalade
21-mai-2017
Uma pequena freguesia do Alentejo, 120 kms, 2800 participantes e três Moukistas com muita vontade de pedalar no mais antigo raid de BTT de Portugal que este cumpria a 19º edição, foram os ingredientes para um grande dia, numa grande festa de BTT.
Pelas 9h, deu-se o início desta pedalação para os muitos participantes, que debaixo de um tempo nublado saiam lentamente de Alvalade até começarem a ganhar velocidade pelo espaçamento que começava a surgir entre os muitos Betetistas que percorriam os primeiros quilómetros. Aos 12kms do percurso, passagem pelos arrozais, imagem já característica deste raid e de grande beleza. Começava-se agora de forma gradual a subir, alternando-se com estradões onde era permitido rolar a velocidades de 25-30km/h onde só a areia fazia abrandar ou em alguns casos parar. Após trilhos com passagens por matas eis que aos 39 kms surgia a Barragem das Campilhas, onde os participantes contornaram a mesma pelas margens até chegarem ao 2º abastecimento deste raid. Aqui foi tempo de, absorvidos por um mar de gente, provar as famosas sandes de carne assada que a organização tanto pediu para que esta malta do pedal provasse… Chatice, lá tivemos que seguir este conselho…
Era agora tempo de começar a subir, ainda que de forma alternada com algumas descidas até atingir o Cercal do Alentejo aos 52kms, onde a população aplaudia os participantes de forma efusiva. Tempo para mais um abastecimento e havia agora que enfrentar a principal subida do dia, com cerca de 2 kms a serpentear a serra e que atingiria a cota dos 260 mts. Aqui chegados, havia que descer de forma alucinante por trilhos mais técnicos e de grande diversão até se atingir a Amazónia, zona de trilhos mais densos e verdejantes. Após uma curta incursão pela lama, entramos num singletrack que quando findou, o mar estava à vista… Imagens de grande beleza e que dão um impulso ao pedal do pessoal do pedal, pois Porto Côvo estava à vista. Rolou-se então por estradões com alguma areia e que foram confluir em Porto Côvo, com uma passagem junto ao areal e que após uma subida onde estavam centenas de pessoas a aplaudir, a meta dos 70 kms estava à vista. Foi bastante agradável verificar a festa que aqui se fazia, entre betetistas e respectivas famílias, sendo o BTT a força motriz destes momentos. Após mais um reabastecimento, havia agora 50 kms a separar-nos da meta em Alvalade. Até à meta rolou-se por trilhos e estradões, alguns deles a atravessar quintas e outras propriedades privadas sendo apenas interrompidas pela passagem em algumas freguesias onde pudemos constatar a “azáfama” de uma tarde de domingo, onde os locais munidos de sumos de cevada e malta observavam os betetistas a regressar a Alvalade e os incentivavam, dizendo que “já faltou mais”…
Aos 104 kms e junto a um canal, pedalou-se até aos 110 kms onde se entrou no alcatrão e a sinalização indicava Alvalade em frente. Tempo de esgotar a desmultiplicação na transmissão e alcançar Alvalade aos 118,5 kms, após 1200 mts de acumulado positivo, muito contacto com a natureza e muito convívio entre estes Moukistas e outros betetistas de todo o Portugal. Tempo para uma ultima rehidratação e um regresso a Lisboa…
Uma última palavra para a organização que teve este raid ao mais alto nível, nos mais variados aspectos tais como sinalização do percurso, abastecimentos, apoio mecânico, simpatia e hospitalidade ao longo de toda esta aventura!
Alvalade, até á próxima!

Moukista 51