Apoios:

Ride BTT ao Chocolate

12 de março de 2017
Ride BTT ao Chocolate

Foi na neblina que se abateu sobre Agualva, que 13 Moukistas se juntaram pelas 8h, conforme já reza a tradição, para este passeio de BTT que teria como destino final a Feira do Chocolate que se encontrava a ser realizada neste fim-de-semana no Largo da República. Vencida a hesitação inicial por onde o grupo se deslocaria, o PP apontou o mesmo em direcção a Tercena e posteriormente Barcarena para se chegar a Oeiras, na esperança do tão prometido sol, pois a Primavera poderia eventualmente ter chegado mais cedo.
Ao passar por Caxias, estes Moukistas rolavam e conviviam a bom ritmo, sentindo-se literalmente na pele a presença do sol, presença essa que se manteve até ao final do mesmo.
Alcançada a Avenida Marginal, rolou-se junto ao mar até se alcançar o Jardim de Paço de Arcos, local onde se encontrava uma feira de antiguidades com um bocadinho de tudo à mistura, tendo o grupo contornado a mesma a fim de retomar o ritmo que até aqui mantinha. Umas centenas de metros à frente, foi altura de cruzar novamente a avenida para se rolar na ciclovia do Passeio Marítimo de Oeiras, que por esta hora (9h) já começava a ficar bastante frequentado. Ainda assim, junto à Praia de Santo Amaro, o grupo “saltou” para o alcatrão da Avenida Marginal e começou a rolar a bom ritmo (25-30 kms/h), potenciado pela maresia e pelo sol, tendo-se alcançado São João do Estoril e Cascais de forma expedita.
Em Cascais, e com uma inflexão para Pampilheira, rumou-se para a paragem e reforço alimentar junto às dunas do Guincho (Cresmina). Aqui foi ainda tempo para a habitual foto de grupo. A ressalvar que não havia registo de vento neste local, prova efectiva de uma grande manhã para a prática de desporto.
Tempo para o único momento caricato da manhã, registado pela bicicleta do vosso escriba que após ser levantada do sítio onde estava pousada, começou subitamente a perder ar a bom ritmo pela roda traseira… embora a magia do tubeless e do selante rapidamente dessem este episódio por terminado. Houve ainda tempo para alguns dos Moukistas referirem que tudo não passou de um acto de sabotagem… que a ver, havia falhado…
Iniciou-se novamente a pedalação respeitando a sinalética dos caminhos de Fátima e Santiago, até se alcançar o Pisão, onde a terra fazia o gosto ao grupo. Houve ainda tempo para o reencontro com o burro que havia sido avistado na semana passada no Pisão, que embora zurrando, se encontrava visivelmente e fisiologicamente mais calmo.
Passou-se ainda por Atrozela, Manique de Cima e Albarraque até se chegar a Rio de Mouro, onde três dos Moukistas se deslocaram para a sede, a fim de prontamente dar repouso às suas pernas. Os restantes, foram ainda desfrutar de alguns dos trilhos nos quais se passou na Caminhada Nocturna MoucaBTT do passado dia 11, com destaque para a Ponte MocuaBTT, e só depois se deslocaram para o Largo da República, onde, já todos juntos se tirou a última foto de grupo.
Em resumo, 58 kms com um desnível positivo de 625 mts, convívio e um sol radiante.
Prá semana há mais…

Moukista 51



Passeio Pedestre Lisboa Antiga

Domingo,19Fev2017
Lisboa Antiga
Depois de adiado por uma semana devido à chuva…. Foi mais um passeio/caminhada bem planeado e organizado pelo presidente do Clube MoucaBTT. Este passeio pedestre pela cidade de Lisboa deu-nos a conhecer a cidade e a evolução dos seus 2500 anos de história, desde o aportamento dos Fenícios e mais uns quantos povos que seguidamente foram passando por ela. Cada vez mais é uma cidade orgânica e viva, que não deixa de surpreender quem nela passeia, basta estarmos algum tempo sem por lá passar para notarmos as muitas e boas transformações que rapidamente são feitas!
Desde há muito considero-a uma cidade monumental, cada rua é ou tem um monumento, embora grande parte destes monumentos estejam transformados e ocupados por espaços privados e comerciais. Depois de viajarmos de comboio até ao Rossio, agrupamos junto ao Teatro Nacional D. Maria II, após a distribuição de um desdobrável explicativo do nosso passeio, somatoriamente, um pequeno briefing foi palestrado pelo PP. rapidamente a mobilidade do grupo foi posta em marcha pedestriana, a praça do Rossio sentiu a nossa passagem, ou não fosse ela o coração da Capital, as escadas da Calçada do Duque foram o primeiro testemunho das muitas escadarias que o grupo iria subir  e descer neste passeio domingueiro, que  teve 49 caminheiros de idade algo variada, mas que todos eles, uns mais do que outros, tiveram um desempenho  comportamental e técnico de bom nível… atingimos o topo do Bairro Alto e Bica, os vestígios da diversão nocturna destes bairros é bem notória, encontramos algumas equipas de limpeza em acção activa… alcançamos a rua de São Paulo após termos descido do bairro da Bica, direccionámos para a rua Augusta/Praça do Comercio, o bairro da Sé estava ao nosso alcance.
O sobe e desce de escadas era, estava a ser, uma constante, Santo António foi também visitado, a casa dos bicos e o museu do fado foram ladeados, subimos os mais ingremes becos por escadarias ingremes, sombreiras, belas e carregadíssimas de história! Alfama piscou-nos o olho, não hesitamos em entrar nela… que beleza típica nos vai mostrando este bairro labiríntico, que em qualquer recanto há sempre gente, gente estrangeira e simpática, mas também moradores deste bairro que com os seus modos típicos não conseguem esconder o tipicismo deles… também bordeamos os bairros da Mouraria, São Vicente e Castelo. A mobilidade do grupo não parava, apenas existiam apontamentos de reagrupação, já se notava algum cansaço em alguns de nós, mais ainda quando vinham as grandes subidas em escadas! Depois desta passagem, encaminhamo-nos para a Graça, também ele um bairro carismático e vincado de tipicidades próprias de pitoresco bairro histórico, descemos para o bairro da Mouraria, bairro que por tradição de há muito considerado o bairro do fado e das multiculturas, ainda subimos mais uma escadaria que fez as delicias dos bem-preparados fisicamente, para logo voltarmos a descer para o Poço do Borratem/Rua do Arco do Marques de Alegrete, passamos pela Praça da Figueira dirigimo-nos para o Largo de São Domingos a onde demos por terminado o nosso amistoso e bem-organizado passeio de 10Km. Já no comboio de regresso a Agualva, brindamos há boa-disposição com uma ginjinha que fez as delícias e animou a malta caminheira. Podia ter sido um passeio diferente, podia… mas não foi! foi assim, e foi genial  bem orientado pelo presidente Luís Pina. Obrigado pela dedicação e disponibilidade que dás ao Clube MoucaBTT.
Não quero e não devo deixar de dizer que na noite anterior a este passeio “Lisboa Antiga”, 13 Moukistas participaram no passeio noturno de 24Km, foi um noturno top. Todo ele foi circuitado no nosso quintal, esteve, em todos as vertentes muito-bom. Iniciamo-lo às 18:30 e terminamos às 21:20, quase tudo correu bem… foi mesmo bem divertido, o términus dele foi na sede da MoucaBTT com um jantar elaborado e servido pelas Senhoras Moukistas Mila e Eduarda, agradecido a ambas pela vossa simpática disponibilidade.
Abraço do “Moukista sentado”


Passeio BTT Nocturno Agualva

Passeio BTT Nocturna Agualva
18fev2017
Referência na crónica Lisboa Antiga 2017.


Passeio 05fevereiro2017

Domingo05fevereiro2015
Vadiamos por Lisboa
Eram 08:00 quando o grupo de dez Moukistas deu inicio à pedalação, ainda no LR veio o primeiro contratempo, um corte no pneu do Diogo deu azo à colocação de uma camara de ar, rápida esta manobra ou não fosse o pai dele um expert (obrigado) nesta matéria, assunto resolvido e pedalação reposta. A estação da CP viu-nos passar, atravessamos o IC19 via aérea pedonal e rápido iniciamos a subida a São Marcos, viramos à esquerda e num ápice estávamos a uma velocidade de 65km hora, que inconsciência… a adrenalina que se ganha montado numa bicicleta, de algum conforto, é desconcertante e dá nestas cenas de loucura! Roçamos as costas da fábrica da pólvora, umas centenas de metros mais à frente entramos em Barcarena, pedalamos até alcançarmos Caxias. O Vice Araújo ia fazendo o papel dele e, liderava o grupo em modo top… íamos passando pela Cruz Quebrada, Algés e Belém. Os monumentos mais relevantes desta zona da cidade de Lisboa iam fazendo parte da nossa passagem, com paragens em todos eles; Torre de Belém foi paragem obrigatória e não houve asiático nenhum que não quisesse tirar uma foto com os vistosos/simpáticos Moukistas, que obsessão que estas nipónicas tem por nós…
A muito custo lá as conseguimos despachar! No Padrão dos descobrimentos a historia repetia-se… se fosse eu a destinar os tracks do grupo nunca mais voltavam a meter os butes nas cidades, que afincada perseguição nos é feita, suponho que a esta hora meio Japão é nosso fã!!! Também o museu da eletricidade nos viu passar, mas quem nos recebeu, por alguns instantes, foi a pastelaria (pasteis de Belém), somos piores que os adolescentes não passamos sem uma guloseima grommet, fizemos o lanche matinal e terminamos com o canelado pastel… A próxima passagem/paragem foi no Mosteiro dos Jerónimos, mais uma sessão fotográfica para o simpático grupo que a onde chega arrasa qualquer um e, por aqui não foi excepção...encontra-se gente, que nos visita, muito simpática e que adora partilhar momentos fotográficos com portugas bem-dispostos, centenas de visitantes forasteiros vagueavam enfrente ao imponente monumento. Fizemos a travessia do bairro do Restelo e entramos na mata de Monsanto, atravessamo-la com a rapidez que só a sabemos fazer…fomos passando por; Alto da Boavista, Bairro do Zambujal, Cova da Moura, Damaia, Reboleira, Amadora, Queluz, Massamá e Agualva. Eram 11:30 quando terminamos o nosso passeio de 42Km. Já sentados na sede do nosso Clube, degustamos o tradicional sumo de cevada e posemos a conversa em dia. Depois de um mês e meio sem actividade biciclista que bem que soube pedalar com o grupo Moukista. Até prá semana “algures na Lisboa Antiga” abraço.
“O Moukista sentado”

domingo, 22 de janeiro de 2017


 

 
A temperatura hoje não convidava a pedalar, mas mesmo com a temperatura baixa, foram seis os Moukistas que se apresentaram para a voltinha domingueira de BTT.
Aqui fica o vídeo do passeio, eram 12H00 estávamos na sede do Clube com 43 kms percorridos.
Boa semana!
 

Passeio pedestre 15jan2017

15janeiro2016
Passeio pedestre próximo do leito da ribeira da Lage.
Pedestrianismo é uma atividade desportiva ao alcance de todos e ao ritmo de cada um. A sua definição engloba não só o percorrer grandes distâncias a pé, mas também o ato de andar a pé pelo prazer do exercício físico, é o desporto dos que andam a pé! Praticado ao ar livre por praticamente todas as pessoas, sozinhos ou em grupo. Não requer equipamento sofisticado, nem conhecimentos técnicos. Funciona como escape ao sedentarismo e alívio do stress acumulado. A Ribeira da Lage é um curso de água português que nasce na costa Oriental da Serra de Sintra e que desagua no estuário do Tejo em Oeiras na extremidade poente da praia de Santo Amaro de Oeiras, serpenteia umas quantas freguesias, próximas da nossa cidade Agualva-Cacém, talvez! por essa proximidade, o presidente PP planeou e pôs em prática… guiar 38 caminheiros que aceitaram o desafio lançado pelo Clube MoucaBTT. A manhã que simpaticamente nos recebeu no LR, apresentou-se fresca e solarenga, após termos passado pela sede do Clube, o grupo de pedestrianistas agrupou no LR ao som de um curto briefing do PP. Saímos à hora proposta 08:30, encaminhamo-nos para o Cacém com passagem aérea pela ribeira das jardas, bordemos as hortas do Cacém, o aquecimento estava feito, alguns de nós despíamos algumas peças de roupa pois o calor e transpiração faziam com que isso acontece-se…nesta mata de terreno acidentado todo o cuidado era pouco, havia que ir bem devagar e ajudar os menos audaces, nestas aventuras e com este terreno não pode haver facilitismos…fizemos a aproximação a Rio de Mouro, atravessámo-lo! Atravessamos o viaduto do IC19, fizemos a aproximação a Covas e Moncorvo de Cima foi por estes lados que o serpenteado leito da Lage serviu de sete passagens ao bem-disposto grupo Moukista que sempre que era possível ia arremessando umas pedras à água tentando molhar os mais desprevenidos. A-dos-Francos foi ladeado a 180º, a direcção do traçado estava a mudar, aproximava-se mais uma subida daquelas que faz a alguns de nós abrir o zipo da gola, o grupo ia superando todas as adversidades que íamos encontrando, mas a homogénea dele era q.b. para superar os troços mais difíceis…Vale Mourão fora também quinado.
A progressão, pedestre, do grupo ia dando sinais de menor atividade, não era para menos…pois mais de 12Km tinham sido feitos, a entrada para o Cacém foi feita pelo bairro do Zambujal a escadaria do mercado amarelo serviu de cenário para a foto do grupo que após posar deu continuidade à marcha, rua abaixo rápido alcançamos e passamos para o outro lado a ribeira das Jardas, desembocamos na Av. dos Bons Amigos viramos à esquerda. o ânimo do grupo estava reposto, não era caso para menos pois os quase 14Km estavam mesmo nos términos, alcançamos o Largo da Republica em Agualva, ao mesmo tempo o nosso pedestre terminou, eram quase 12:00. “Para veres o que nunca tinhas visto, precisaste de caminhar por onde nunca tinhas caminhado” Parabéns ao MoucaBTT por ter dado mais uma oportunidade de caminhar aqueles que quiseram caminhar.
Abraço, O Moukista sentado.
                   

6º aniversário do Clube MoucaBTT 2011 - 2017

10 de janeiro de 2017
Aqui fica o vídeo por ocasião do 6º aniversário do Clube MoucaBTT, realizado na Sede do Clube.
A todos os Moukistas muitos parabéns.
Sempre meia roda à frente!


Reveillon 2017

Passagem de ano na sede do Clube MoucaBTT. Bom Ano de 2017.